5 erros de gestão que elevam a inadimplência escolar

Inadimplência escolar

O considerável aumento da inadimplência em escolas e universidades é um dos maiores problemas das instituições de ensino e requer atenção especial dos gestores. Se esse é o seu caso, fica a pergunta: você sabe lidar com essa questão da forma correta?

Uma das principais medidas tomadas pelos gestores para combater a inadimplência escolar é cuidar do problema quando ele já trouxe prejuízos, porém a grande maioria não se preocupa em prevenir esse tipo de situação.

Quando se trata de pagamentos de mensalidades, é normal que algumas fiquem em atraso ao final do mês, porém, quando a inadimplência escolar começa a comprometer o orçamento de uma instituição, aí temos um problema.

Para te ajudar a identificar se sua empresa está no caminho certo, a seguir, listamos cinco erros de gestão que levam à inadimplência. Acompanhe:

  1. Não calcular o índice de inadimplência escolar

Avaliar a situação financeira de uma instituição de ensino é fundamental para mensurar o nível de inadimplência de seus alunos. Em alguns casos, esse alerta pode ajudar a tomar medidas preventivas ou, em situações mais graves, a iniciar medidas judiciais.

O cálculo do índice de inadimplência escolar deve ser feito da seguinte maneira:

Valor total de mensalidades não pagas / valor total de mensalidades cobradas

Se depois dessa conta você chegar a um índice de inadimplência menor que 2%, sua instituição está saudável financeiramente. De 2 a 3% temos um índice satisfatório, ao passo que mais de 3% indica uma situação crítica.

  1. Apostar em alunos que não se enquadram em seu público

Quando um aluno inadimplente realmente não tem condições de pagar a mensalidade, parte da responsabilidade disso é da escola, que matriculou um estudante fora do seu perfil. A dica, aqui, é deixar bem claro quanto custam os seus serviços e se posicionar de maneira adequada no mercado.

  1. Ausência de controle dos pagamentos

Controles financeiros burocráticos e com baixa eficiência prejudicam a cobrança de mensalidades, pois não há um monitoramento de quem está inadimplente, fazendo com que um quadro crítico fique ainda pior.

Com uma ferramenta que indica quem possui mensalidades em aberto é possível identificar quem está em atraso e tentar reverter a inadimplência escolar o quanto antes.

  1. Estar fechado à negociação

Uma simples negociação pode ajudar um aluno a sanar suas dívidas com uma instituição de ensino. Entretanto, o problema é que alguns locais não têm disponibilidade para negociar e são pouco flexíveis. Parcelar o valor é uma das medidas que ajudam a reverter essa situação.

  1. Falta de opções práticas de pagamento

Alguns casos de inadimplência escolar ocorrem por simples esquecimento das pessoas, sabia? Isso acontece quando a instituição não disponibiliza maneiras práticas de pagar a mensalidade e a forma de combater esse problema é emitir boletos em vez de fazer o aluno ou seus pais irem à secretaria para acertar o pagamento.

Agora que você já sabe quais são os principais problemas que levam ao aumento da inadimplência escolar é hora de fazer um diagnóstico da sua situação. Em alguns casos, uma assessoria especializada em cobranças como a Help Cobranças pode ajudar a resolver essa questão. Avalie!

Desemprego e recessão levam a inadimplência escolar

Inadimplência escolar

Nos últimos anos, as taxas de inadimplência nas escolas cresceram em todo o Brasil. O motivo engloba desde as altas taxas de desemprego até a recessão econômica, que obrigou muitas famílias e alunos a adiarem pagamentos. Diante desse cenário todos perdem, mas como evitar que as perdas sejam muito grandes?

Primeiramente, é fundamental conhecer as taxas de inadimplência quando o assunto é escolaridade. Segundo um levantamento do Serasa Experian, nos últimos três anos, esse número subiu para 22% nos ensinos Infantil e Fundamental e 38% para o Ensino Superior.

Por que a inadimplência escolar está aumentando no Brasil?

Com alto índice de desemprego, que atingiu a taxa de 12,2% no último trimestre de 2017, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), muitas pessoas conseguem uma renda extra com trabalho informal, mas nem sempre é possível arcar com os custos de educação, o que obriga alguns pais e alunos a atrasarem suas mensalidades.

Como a inadimplência prejudica a todos – incluindo os quem pagam em dia

Gastos até então eleitos como prioridade pelas famílias, como a educação, foram cortados por grande parte das famílias brasileiras, vítimas do desemprego, da alta da inflação ou de imprevistos econômicos. Quanto menos alunos nas instituições de ensino, maiores os custos da mensalidade, o que acaba onerando demais os que conseguem se manter em uma instituição privada de ensino.

Como reduzir os prejuízos causados pela inadimplência

A inadimplência escolar pode ser minimizada com tratativas de negociação por parte da instituição e ensino e o aluno – ou sua família, caso trate-se de Ensino Infantil ou Médio. Há, ainda, assessorias especializadas na recuperação de crédito, que conseguem viabilizar um acordo entre ambas as partes. Quanto antes feita essa negociação, melhor para todos.

Atualmente, são mais de 60 milhões de consumidores brasileiros na lista de inadimplentes. Por isso, conhecer bem o cliente, especialmente o que paga por serviços educacionais, é muito importante para ter sucesso na negociação e evitar perdas. Entenda suas necessidades e dificuldades para, então, pensar em um acordo viável para ele e benéfico para o seu negócio.

No momento de negociar com inadimplentes é essencial ter em mente que soluções customizadas para cada cliente e estratégias bem definidas são fundamentais para que uma instituição de ensino cresça de maneira sustentável e sem perdas financeiras.